Adolescentes acolhidos iniciam estágio na FMP

de de

A determinação para transformar o presente e garantir um grande futuro é uma constante na vida dos adolescentes Davih Maffissoni, Nathália Dias da Rosa e Gabriel Dias da Rosa. De famílias humildes, carregam histórias difíceis. Mas suas vidas ganham agora uma nova página. A partir de um Termo de Cooperação assinado em 2017 entre a Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP) e o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS), os adolescentes passam a integrar o quadro de estagiários da FMP.

Todos trabalharão na Assessoria Acadêmica e receberão salários mensais. Eles dividirão com as demais funcionárias do setor, tarefas como realizar impressões de materiais acadêmicos solicitados pelos professores, prestar assistência durante as bancas da Graduação, Mestrado e Pós-graduação, atendimento aos acadêmicos, dentre outras funções.

Ainda criança, negligenciado pela mãe, Davih, junto com os quatro irmãos, foi morar com a avó, mas não se adaptou com o novo convívio, o que o levou a ter problemas de comportamento. Aos 11 anos, sem ter noção exata do que acontecia, acabou indo para o Pão dos Pobres, em Porto Alegre, onde vive até hoje. Ele conta que no início foi difícil deparar-se com a nova realidade, mas viu nela, a oportunidade de mudar. “Percebi que mudar era possível e que só dependia de mim. O abrigo te faz refletir. Hoje eu vejo que se não fosse o abrigo, eu não teria crescido tanto e talvez não estivesse aqui”, relata o jovem, hoje com 16 anos. Ele lembra que quando ficou sabendo da possibilidade de trabalhar na FMP foi “tipo uma luz”. “Sempre tem uma luz. Mas algumas parecem que brilham mais. Sou bem determinado com o que quero e logo falei: é lá que eu quero ficar. Pois é um lugar bom, onde oportunizam. E também pelo respeito que a empresa tem com seus colaboradores.”

Os irmãos Gabriel e Nathália, de 17 e 16 anos, ainda crianças foram abandonados pela mãe e foram morar com o pai, que faleceu pouco tempo depois. Órfãos, passaram por casas de diversos familiares e, em 2015, encontraram proteção no Abrigo Residencial 6, em Porto Alegre. E foi através do abrigo que chegaram até o programa.

Gabriel conta que viu no programa uma oportunidade de aprendizagem, crescimento profissional e de colocar em prática o que aprendeu no curso de secretariado, realizado na Pequena Casa da Criança. Além disso, explica que em sua vida é muito presente a realidade de que, ao chegar aos 18 anos, terá que sair do abrigo e seguir com as próprias pernas. “Tu tem que se tocar e pensar nisso. Olha tudo que caminhei. Olha tudo que me ofereceram aqui dentro do abrigo. Não quero sair do abrigo e ter que voltar em uma realidade que não é legal. Então tenho que aproveitar as oportunidades e servir de exemplo para as demais pessoas.”

Sem esconder a ansiedade para começar no novo trabalho, Nathália vê no programa muito mais do que uma oportunidade para começar sua carreira profissional. “O programa, e consequentemente o estágio na FMP, mostram que quem passa pelo acolhimento tem oportunidades e ajuda a mudar a forma errada como muitas pessoas ainda olham para o acolhimento.”

O presidente da FMP, Dr. David Medina não esconde a alegria em receber os novos colaboradores. Destaca que a partir de agora eles trabalham em uma instituição de educação, e educação é algo que falta para muitos brasileiros. “Vocês trabalhando aqui tornam-se profissionais da educação e também contribuirão para a educação do nosso País.” Ressalta ainda, que a FMP valoriza muito as pessoas. “O mais importante da sociedade e das instituições são as pessoas. Aqui na FMP todos são tratados com muito respeito e valorização. Esperamos que vocês possam ter uma ótima experiência e que se sintam felizes aqui.”

Medina destaca a importância deste projeto, que também trouxe para a Instituição, a acadêmica Vitória da Silva Guimarães, que cursa o primeiro semestre da Graduação em Direito. “Esse programa é realmente maravilhoso, pois possibilita o crescimento não só de quem é o beneficiário direto, mas da sociedade como um todo. Gestos aparentemente pequenos fazem muita diferença na vida das pessoas. Não importa como a gente nasce, mas como vivemos e como vamos levar a nossa vida.”

O Diretor da Faculdade de Direito, Dr. Fábio Roque Sbardellotto deu boas-vindas aos jovens e destaca a força e a coragem de cada um. “Vocês são vencedores. Conseguiram superar coisas que poucos conseguem. E, a partir de agora, estão iniciando uma nova vida, tanto pessoal, quanto profissional.” Dr. Sbardellotto desejou sucesso nesta nova caminhada que vai ser de muito aprendizado e vai exigir dedicação. “Vocês vão sair daqui prontos, maduros pra vida profissional. Nunca desmereçam. Lembrem-se que para vocês tudo é possível. Se fizerem com amor e por bem, com dedicação, serão bem sucedidos. Agora é a hora de aproveitarem. Contem conosco e façam o máximo. Aqui vai ser tudo de bom.”

« Voltar